Opinião

As consequências da gestão unipessoal da Academia de Música de Lagos

ANTÓNIO GUEDES DE OLIVEIRA
Tamanho da Letra: A-A+

Uma intensa vida associativa é sinal de dinamismo, de vitalidade e até um sinal de saúde da própria sociedade. É por isso que uma comunidade aberta, plural e com um projecto de futuro comporta as mais diversas manifestações entre as quais as suas próprias associações. São uma forma de responder aos desafios que a sociedade tem de enfrentar e é chamada a responder. E ganham preponderância por serem também escolas de cidadania e espaços onde a democracia se reveste dos seus aspectos mais nobres.

Mas, como em todas as dimensões da vida, por mais nobres que sejam os caminhos a seguir, há sempre formas de os subverter. É em parte o que se tem passado com a Academia de Música de Lagos. Começou como um projecto empreendedor, de um dinamismo invulgar e com uma capacidade de iniciativa difícil de igualar. E durante anos foi fazendo o seu percurso sempre em ascensão e, cada vez com maior folego, foi alargando o seu campo de acção.

Mas a esse crescimento constante, a essa imaginação digna de assinalar e a esse dinamismo que conseguia contagiar não correspondia essa escola de cidadania nem esse exercício mais lídimo da nossa democracia. Em vez de uma constante renovação dos seus procedimentos e dos seus métodos de gestão, tudo se passou a concentrar e, com uma gestão unipessoal, os vícios começaram a prosperar.

Foram-se aperfeiçoando e enraizando na estrutura da Academia e, com o tempo a passar, pouco a pouco foram-se tornando normalidade no seio desta colectividade. Foram, segundo a informação e alguns membros dos corpos sociais, turmas fantasma que, alegadamente, se começaram a fabricar, assinaturas sem suporte real que começaram a aparecer, contratos com professores sem obedecer à legislação e toda uma panóplia de decisões que pouco ou nada tinham a ver com os objectivos da instituição. Foi o que se passou com a compra de imobiliário e de um hostel cuja gestão tem sido objecto de contestação pela mão de algumas das suas mais proeminentes figuras.

E quando este modelo de gestão começou a encontrar, dentro dos órgãos sociais, reparos e contestação, uma purga começou a ser ensaiada e acabaria, com a passagem do tempo, por ser concretizada. Foi o que aconteceu, de uma forma contundente, na Assembleia Geral, com a expulsão do seu próprio Presidente. O mesmo aconteceu a professores que não se deixaram amestrar e se começaram a manifestar. Outros casos começaram a transpirar e a imagem da Academia de Música de Lagos começou a ser abalada e a sua inovação e modelo de gestão a levantar um mundo de interrogações e até de algumas suspeições.

Com este clima gerado, algumas inspeções começaram a descer e a revolver os terrenos em que se movimentava a Academia. Como consequência, nasce um processo judicial movido por uma entidade governamental. O Ministério da Educação, por alegadamente ter detectado turmas fantasma que estava a subsidiar e por, em simultâneo, ter deparado, também segundo a informação, com assinaturas fabricadas que as estavam a suportar, decidiu agir e cortar a sua participação e participar judicialmente da instituição. E já com o processo em curso, a Câmara Municipal de Lagos também decidiu dar um passo em frente ao constituir-se no processo como assistente.

Em causa, fica, assim, o nome de uma instituição que tinha crescido, que se tinha expandido e cuja qualidade poderia evoluir e abrir diante de si novos e mais abrangentes horizontes de futuro. Se essa abrangência se abrisse à congregação, debaixo do mesmo teto, de todas as instituições de ensino aprendizagem no campo da arte musical, poder-se-ia abrir espaço à criação de um conservatório que funcionasse como um polo de ensino superior capaz de dinamizar a cidade e de, em termos culturais, lhe dar outra qualidade.

Mas como, por norma acontece, uma gestão unipessoal e com laivos de autocracia deslumbra-se com o poder e tudo concentra em redor da sua pessoa. E, como consequência, levanta as maiores resistências à participação e a um modelo de gestão que pressuponha colaboração e responsabilização em tudo o que diga respeito a uma tarefa comum assente em objectivos a definir, em caminhos a percorrer e em tudo o que tenha a ver na implementação das estratégias para os alcançar. E quando assim acontece, o deslumbramento e o auto convencimento são o caminho a seguir com as consequências que daí poderão advir. E, no caso da Academia de Música de Lagos, já estão bem à mostra.

Etiquetas:

Comentar

Todos os direitos reservados.

Diário Online Algarve Express©2013

Director: António Guedes de Oliveira

Design & Desenvolvimento por: Webgami